Arquivo da categoria: Introdução

Doações para 1.000 Máscaras para Protestar contra a Corrupção no dia 7 de Setembro!


Povo Brasileiro,

Mantemos uma tradição de comemorar o Dia da Independência ocorrido em 7 de setembro de 1822 quando o Grito de Ipiranga “Independência ou morte”.

A sociedade perde um dia para comemorar uma data que é simbolizada por Tanques de Guerra e outras demonstrações bélicas que remontam a época da ditadura militar e subliminarmente serve para intimidar a população em tentar construir um país melhor.

Se a independência da coroa foi uma causa ganha, quase 200 anos se passaram e ainda comemoramos a mesma causa? A sociedade necessita de causas maiores. Não vivemos do passado!

O povo brasileiro está cansado de ser enganado. Não queremos Tanques, queremos escolas. Não queremos soldados, queremos educadores. Não queremos exército nas ruas, queremos o povo!

O governo usa tanques de guerra, e nós usaremos nossa própria simbologia: A simbologia do homem que acredita nos seus ideais de um país justo e solidário, e que retirará do poder todos aqueles que se opuseram aos direitos do cidadão.

A Máscara de Guy Fawkes representa isso.

Dia 7 de Setembro é o Dia da Independência onde várias autoridades assistem os desfiles militares e cívicos.

A Sociedade Civil não tolera mais tanta corrupção e hipocrisia.

Dia 7 de setembro uma Multidão do Rio de Janeiro irá assistir os desfiles com a Máscara de Guy Fawkes e marcará presença contra a corrupção.

Replique essa atitude em cada capital e município do país!

Vamos ganhar visibilidade e mostrar para os políticos que estamos nos organizando para opor qualquer forma de corrupção e imoralidade. Em 2011 serão 1000 máscaras, 2012 serão 10.000 em 2013 serão 100.000. Um dia serão milhões o Brasil vai se unir contra a corrupção e nossa vida vai melhorar!

Ajude a contribuir com esse projeto cívico: http://www.vakinha.com.br/VaquinhaP.aspx?e=104574

Temos que começar!

Somos Anonymous
Somos uma Legião.
Não Esquecemos. Não Perdoamos
Esperem por nós.

Faça sua máscara e seja você também um Anonymous! (Contra a corrupção)

 

BAIXE O ARQUIVO PDF AQUI

A Mascara do Anonymous representa o rosto de Guy Fawkes, soldado inglês que teve participação na “Conspiração da Pólvora” (Gunpowder Plot) na qual se pretendia assassinar o rei protestante Jaime I da Inglaterra e todos os membros do parlamento durante uma sessão em 1605, objetivando o início de um levante católico. Guy Fawkes era o responsável por guardar os barris depólvora que seriam utilizados para explodir o Parlamento do Reino Unido durante a sessão. Porém a conspiração foi desarmada e após o seu interrogatório e tortura, São Guy Fawkes foi executado na forca por traição e tentativa de assassinato.

Essa trama foi adaptada para Hollywood com o filme “V de Vingança” sendo que o personagem principal utilizava a todo o momento uma máscara para lutar contra o sistema. Esse filme conquistou uma legião de fãns,

Anonymous utiliza a simbologia deste filme e utiliza a máscara para simbolizar a causa do Anonymous que é contra a corrupção.

Se você também é contra a corrupção, utilize também uma mascara Guy Fawkes em qualquer evento cívico.

Ela pode ser comprada em lojas ou  você pode fazer uma máscara de papel utilizando apenas duas folhas.

BAIXE O ARQUIVO PDF AQUI

 

BAIXE O ARQUIVO PDF AQUI

Atualização: Frases Anarquistas – A discussão foi quente

 

por Libertários do Mundo

“As liberdades não se concedem, conquistam-se.”
— Priotr Kropotkin

“Quem quer, não a liberdade, mas o Estado, não deve brincar de Revolução.”
— Mikail Bakunin

“Enforcados em Chicago, decapitados na Alemanha, estrangulados em Xerez, fuzilados em Barcelona, guilhotinados em Montbrison e em Paris, nossos mortos são muitos; mas vocês não foram capazes de destruir a Anarquia. (…) Ela está em todos os lugares. Isso é que a faz indomável, e por fim ela irá derrotá-los e assassiná-los.”
— Émile Henry, A defesa de um terrorista (1893)

“Aquele que botar as mão sobre mim, para me governar, é um usurpador, um tirano. Eu o declaro meu inimigo”
— Pierre-Joseph Proudhon

“…Anarquia, este sonho de justiça e de amor entre os homens…”
— Errico Malatesta


“O anarquismo é uma teoria política que defende a criação da anarquia, uma sociedade baseada na máxima -sem soberanos-. Para chegar até lá, os anarquistas consideram que a propriedade privada da terra e o capital que hoje estão em alta, estão condenados a desaparecer: e que todos os meios de produção devem se converter em propriedade comum da sociedade, e serão gestionados em conjunto pelos produtores da riqueza. (…) a meta final da sociedade é a redução das funções do governo ao nada – é dizer, uma sociedade sem governo, a anarquia.”
— Rudolf Rocker

“Será que vivemos nós os proletários, será que vivemos? Será que os fracos remédios que tomamos não seria a doença que nos corrói?”
— Guy Debord

“Os anarquistas sabem que um longo período de educação precisa preceder qualquer grande mudança fundamental na sociedade, uma vez que não acreditam na miséria do voto, nem em campanhas políticas, mas sim no desenvolvimento de indivíduos com pensamento autonomo.”
— Lucy Parsons, Os Princípios do Anarquismo. (1890).

“Respeito à lei, este é o cimento que mantém a estrutura do Estado. A lei é sagrada e aquele que a desafia é um criminoso”. Sem crime não haveria Estado: o mundo da moral – ou seja, o Estado – está cheio de vagabundos, mentirosos, ladrões (…) O objetivo dos estados é sempre o mesmo: limitar o indivíduo, domesticá-lo, subordiná-lo, subjugá-lo.”
— Max Stirner

“Só serei verdadeiramente livre quando todos os seres humanos que me cercam, homens e mulheres, forem igualmente livres, de modo que quanto mais numerosos forem os homens livres que me rodeiam e quanto mais profunda e maior for a sua liberdade, tanto mais vasta, mais profunda e maior será a minha liberdade.”
— Mikail Bakunin

“Me pergunto em que tipo de sociedade vivemos, que democracia é essa que temos onde os corruptos vivem na impunidade, e a fome das pessoas é considerada subversiva.”
— Ernesto Sábato, Antes del fin (1999).

“Os escravos do século XXI não precisam ser caçados, transportados e leiloados através de complexas e problemáticas redes comerciais de corpos humanos. Existe um monte deles formando filas e implorando por uma oportunidade de trocar suas vidas por um salário de miséria. O “desenvolvimento” capitalista alcançou um tal nível de sofisticação e crueldade que a maioria das pessoas no mundo tem de competir para serem exploradas, prostituídas ou escravizadas.”
— Luther Blissett

“Ocorre que não é preciso buscar aquilo que já temos. Assim, se pensamos ter o conhecimento, também pensamos não precisar buscá-lo. Daí porque, se estamos iludidos a esse respeito, essa ilusão é o maior bloqueio para a obtenção do conhecimento. Como já disse alguém, não há melhor prisão do que aquela que não se parece com uma prisão.”
— Júlio César Burdzinski

“Livrem-se das velhas categorias do negativo (a lei, o limite, as castrações, a falta, a lacuna) que por tanto tempo o pensamento ocidental considerou sagradas, como forma de poder e modo de acesso à realidade. Prefiram o que é positivo e múltiplo, a diferença à uniformidade, os fluxos às unidades, os agenciamentos móveis aos sistemas.”
— Michel Foucault, Introdução de ‘O Antiédipo’

“Anarquismo, para mim, significa não só a negação da autoridade, nem também uma nova economia, mas uma revisão dos princípios de moralidade. Significa o desenvolvimento da individualidade bem como a asserção da invididualidade. Significa auto-responsabilidade, e a não adoração de líderes.”
— Voltairine de Cleyre, Em defesa de Emma Goldman e o direito de expropriação (1893).

“Entre nós, revolucionários, um fenômeno deve realizar-se; nós devemos conseguir compreender com perfeita retidão e sinceridade todas as idéias daqueles que combatemos; devemos fazê-las nossas, mas para dar-lhes seu verdadeiro sentido. Todos os raciocínios de nossos interlocutores, retardados pelas teorias ultrapassadas, classificam-se naturalmente em seu verdadeiro lugar, no passado, não no futuro. Eles pertencem à filosofia da história.”
— Élisée Reclus

“A melhor forma de votar é arrancar as pedras da calçada e lançá-las nas cabeças dos políticos”
— Anônimo, Pichação nas ruas de Paris (2006)

“Quem semeia miséria, colhe fúria.”
— Anônimo, Pichação nas ruas de Paris (2006)

“A alma feminina jaz adormecida dentro dos trapos, das jóias, do império da moda – a eterna sultana desse harém de civilizados que ainda compram, vendem, exploram, seduzem, abandonam por imprestável a mesma mulher, cuja posse exclusiva consiste a sua preocupação única. É deprimente a situação da mulher neste meio de cafetismo social em que os homens não sabem olhar uma mulher senão desrespeitando-a.”
— Maria Lacerda de Moura, Religião do amor e da beleza (1926)

“O primeiro homem que, havendo cercado um pedaço de terra, disse “isso é meu”, e encontrou pessoas tolas o suficiente para acreditarem nas suas palavras, este homem foi o verdadeiro fundador da sociedade civil. Quantos crimes, guerras e assassínios, de quantos horrores e misérias não teria poupado ao gênero humano aquele que, arrancando os marcos, ou tapando os buracos, tivesse gritado aos seus semelhantes: Livrem-se de escutar esse impostor; pois estarão perdidos se esquecerem que os frutos são de todos, e a terra de ninguém!”
— Jean Jacques Rousseau, O contrato social (1762)

“A liberdade de eleições permite que você escolha o molho com o qual será devorado.”
— Eduardo Galeano

“Eh, bem, se os governantes podem usar contra nós rifles, correntes e prisões, nós devemos, nós os anarquistas, para defendermos nossas vidas, devemos nos ater às nossas premissas? Não. Pelo contrário, nossa resposta aos governantes será a dinamite, a bomba, o estilete, o punhal. Em uma palavra, temos que fazer todo o nosso possível para destruir a burguesia e o governo. Vocês que são representantes das companhias burguesas, se vocês querem minha cabeça, venham buscá-la!”
— Sante Geronimo Caserio

“A luta deles é para segregar, a nossa luta é para unificar. Nossa luta não é a luta do contrapoder: é a luta do antipoder.”
— John Holloway

“As ruínas não nos assustam nenhum pouco. Vamos herdar a terra. Não há menor dúvida quanto a isso. A burguesia pode derrubar e converter em ruínas seu próprio mundo antes que abandone a cena da história. Levamos um mundo novo em nossos corações, um mundo que está crescendo neste instante.”
— Buenaventura Durruti

“Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.”
— Mikail Bakunin

“Uma idéia nova nunca pode caminhar dentro da lei. Pouco importa se esta idéia diz respeito às mudanças políticas ou sociais, ou a qualquer outro domínio de pensamento e expressão humana – a ciência, literatura, música; na realidade, tudo aquilo que se direciona a liberdade, regozijo e à beleza, tem que se negar a caminhar dentro da lei. Como poderia ser diferente? A lei é estacionária, fixa, mecânica, ‘uma roda de biga’ que esmaga tudo pela frente, sem levar em conta a hora, lugar e condições, sem levar em conta causa e efeito, sem nunca entrar nas minúcias da alma humana.”
— Emma Goldman

“Quanto mais o homem se torna consciente, através da reflexão, da sua condição servil, quanto mais ele se indigna com ela, mais o espírito anarquista da liberdade se aviva dentro dele. Esta é uma verdade dentro de cada homem e de cada mulher, mesmo que talvez eles nunca tenham ouvido antes a palavra “anarquismo”.”
— Nestor Makhno, O ABC do Anarquista Revolucionário (1932).

“Alguns dizem que o Anarquismo não é socialismo. Isto é um erro. O anarquismo é socialismo voluntário. Existem dois tipos de Socialismo: o arquista e o anarquista, o autoritário e o libertário, o ‘de estado’ e o livre.”
— Joseph Labadie

“Anarquista é, por definição, aquele que não quer ser oprimido, nem deseja ser opressor; é aquele que deseja o máximo bem-estar, a máxima liberdade, o máximo desenvolvimento possível para todos os seres humanos.”
— Errico Malatesta

“As leis e as constituições que pela violência governam aos povos são falsas. Não são filhas do estudo e do comum ascenso dos homens. São filhas de uma minoria bárbara, que se apoderou da força bruta para satisfazer sua ganância e sua crueldade.”
— Rafael Barrett

“É a democracia, tal como a conhecemos, a melhor possibilidade em matéria de governo? Não é possível dar um passo mais em direção ao reconhecimento e a organização dos direitos do homem? Nunca poderá haver um Estado realmente livre e iluminado até que não se reconheça ao indivíduo como poder superior independente de quem deriva e a quem lhe cabe sua própria autoridade, e, em consequência, lhe de o tratamento correspondente.”
— Henry David Thoreau

“Anarquismo não é uma fábula romântica mas a realização consciente, baseada em cinco mil anos de experiência, de que não podemos confiar o gerenciamento de nossas vidas à reis, padres, políticos, generais e executivos”
— Edward Abbey, A Voice Crying in the Wilderness (1989)

“O anarquismo é realmente um sinônimo de socialismo. O anarquista é primeiramente um socialista cujo objetivo é a abolição da exploração do homem pelo homem. Em vez da “planificação central”, os anarquistas advogam pela livre associação e se opõem ao socialismo “de estado” como uma forma de capitalismo “de estado”“
— Daniel Guérin

“Nunca sacrificou o homem voluntariamente sua liberdade em benefício público! A natureza não criou nem servo, nem senhor! Jamais quis dar ou aceitar leis! Com suas mãos trançaria as entranhas de um padre tal qual corda para estrangular reis.”
— Denis Diderot, “Les Éleuthéromanes”, em Poésies Diverses (1875)

“Liberdade! Salve a Liberdade e a Liberdade salvará tudo mais!”
— Victor Hugo

“Somos anarquistas e defendemos a Anarquia sem adjetivos. Anarquia é um axioma e a questão econômica é algo secundário. Alguns nos dirão que é por causa da questão econômica que a Anarquia é uma verdade; mas acreditamos que ser anarquista significa ser inimigo de toda autoridade e imposição e, por conseqüência, seja qual for o sistema proposto a melhor defesa da anarquia, não desejando impô-la sobre aqueles que não o aceitam.”
— Fernando Tarrida del Mármol, Letter to Le Révolte, 1890.

“A única alternativa é a utopia ou o caos. (…) os sintomas do desmoronar da civilização podem ser vistos por todas as partes e são bem mais agudos que aqueles percebidos nos últimos anos do império romano. No entanto, nem todos estes sintomas são necessariamente patológicos. O mundo contemporâneo se vê afetado por duas tendências opostas: uma que tende a sua destrução social, a outra que anuncia o nascimento de uma nova sociedade.”
— Kenneth Rexroth

“Não devemos perder de vista que a religião era uma das melhores armas nas mãos de nossos tiranos, um de seus dogmas primordiais era: ‘Dai a César o que é de César’. Mas nós derrubamos César do trono e não queremos dar-lhe mais nada.”
— Donatien Alphonse François de Sade

“Na casa de um rico não há lugar para se cuspir, a não ser em sua cara.”
— Diógenes de Sínope

“”A anarquia ostenta duas faces. A de Destruidores e a de Criadores. Os Destruidores derrubam impérios, e com os destroços, os Criadores erguem Mundos Melhores.”“
— Alan Moore, V de Vingança (1983)

“Somente os anarquistas haverão de saber que somos anarquistas e lhes pediremos que não se chamem assim para que não assustem os imbecis.”
— Ricardo Flores Magón

“Me tornei um anarquista apenas recentemente. Não o era até a metade de 1891 quando me lancei no movimento revolucionário. Antes, eu vivi nos meios sociais que estavam permeados com a moralidade vigente. Me acostumei a respeitar e mesmo compartilhar dos princípios de nação, família, autoridade e propriedade. Mas aqueles que estão educando a geração atual, quase todos se esqueceram de uma coisa – que a vida é indiscreta com suas lutas e conflitos, suas injustiças e desigualdades, vejo que é assim que a venda é removida dos olhos do ignorante (…) A mim, me foi dito que essa vida era fácil e amplamente aberta às pessoas inteligentes, e a experiência me mostrou que só os cínicos e os lacaios podem conseguir um bom assento no banquete.”
— Émile Henry, A defesa de um terrorista (1893)

“Estamos usando nosso cérebro de maneira excessivamente disciplinada, pensando só o que é preciso pensar, o que se nos permite pensar.”
— José Saramago, Palestra “Literatura e poder. Luzes e sombras”, Universidade Carlos III, Madrid, Espanha (2004)

“Ao menino de 1918 chamavam anarquista. Porém meu ódio é o melhor de mim. Com ele me salvo e dou a poucos uma esperança mínima.”
— Carlos Drummond de Andrade, A flor e a náusea (1945)

“Nossa Pátria é o mundo inteiro, nossa Lei é a Liberdade.”
— Pietro Gori, Canção anarquista de fins do século XIX

“A virtude pode florescer somente entre os iguais.”
— Mary Wollstonecraft, Reivindicação dos direitos dos homens (1790)

“É melhor morrer de pé do que viver de joelhos.”
— Emiliano Zapata

“Queres fazer impossível que alguém oprima a seu semelhante? Então te assegura que ninguém possua o poder.”
— Gregori Maximoff

“O melhor governo é o que não governa em absoluto.”
— Henry David Thoreau

“Uma defensa do Estado argumenta que o homem é um “animal social”, que deve viver em sociedade, e que individualistas e libertários crêem na existência de “indivíduos atomizados” sem influenciar e sim manter relação com seus semelhantes. No entanto, os libertários nunca celebraram indivíduos isolados como os átomos, pelo contrário, todos os libertários têm reconhecido a necessidade e as enormes vantagens da vida em sociedade, de participar na divisão social do trabalho. O grande equívoco cometido pelos defensores do Estado, incluídos os filósofos aristotélicos e tomistas clássicos, é saltar da necessidade da sociedade para a necessidade do Estado.”
— Murray Rothbard

“Eu tendo a idéia anarquista (…), que devemos nos unir e pensarmos, como nos preocupar com todos através do trabalho em equipe.”
— Richard Stallman

“”A única alternativa é a utopia ou o caos. (…) os sintomas do desmonte da civilização podem ser vistos por todas as partes e são bem mais agudos que os que se perceberam nos últimos anos do império romano. Por outro lado, nem todos estes sintomas são necessariamente patológicos. O mundo contemporâneo se vê afetado por duas tendências opostas: uma que tende a sua destruição social, outra que anuncia o nascimento de uma nova sociedade”
— Kenneth Rexroth

“Os anarquistas […] sempre acreditaram que o controle sobre a própria vida produtiva é a condição sine qua non de toda libertação humana verdadeira, de fato de toda prática democrática significativa. Portanto, enquanto houverem cidadãos estando obrigados a alugarem a si próprios no mercado de mão de obra para quem interesse empregá-los em seus negócios, enquanto a função do produtor estiver limitada a ser utensílio subordinado, existirão elementos coercitivos e de opressão francamente escandalosos, condições tais que não permitem nem sequer falar em democracia, se é que há sentido em fazê-lo todavia.”
— Noam Chomsky

“”Exceto o louco, todo homem é capaz de razão e de vontade. Mas muitos não escutam mais que suas paixões e não têm mais que caprichos. Entre eles se encontram os que têm a pretensão de mandar.”
— Han Ryner

“Esta é só a terra do Faça-como-Queira. Anarquia significa “sem líderes”, não “sem ordem”. Com a anarquia vem uma idade de Ordung, de verdadeira ordem, ou seja, ordem voluntária. Esta idade de Ordung começará quando o louco e incoertente ciclo de Verwirrung que estes boletins revelam tenha terminado seu curso. Isso é caos.”
— Alan Moore, V de Vingança (1983)

“A única igreja que ilumina é a que queima.”
— Priotr Kropotkin

“Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.”
— Eça de Queirós

“Anarquismo significa que você deveria ser livre; que ninguém deveria te escravizar, te chefiar, te roubar, ou se impor sobre você. Significa que você deveria ser livre para fazer as coisas que deseja fazer; e que não deveria ser forçado a fazer o que não deseja. (…) Assim, não mais haveria guerra, nem violência empregada por alguns homens contra outros, não haveria monopólio nem pobreza, não haveria opressão e ninguém tentaria tirar vantagem de seus semelhantes. Para resumir, Anarquismo significa uma condição ou sociedade onde todos os homens e mulheres são livres, e onde todos aproveitam igualmente os benefícios de uma vida sensível e ordenada.”
— Alexander Berkman, “A anarquia é possível?”, em ABC do Anarquismo (1927)

“Eu sou um cristão. Sou um pacifista. Sou um anarquista cristão. Na Rússia os inimigos dos trabalhadores livres são os burocratas e os comunistas. Nos Estados Unidos os inimigos dos trabalhadores livres são os burocratas e os capitalistas. Não acredito em nenhum governo, e sou contra a violência de todos os tipos.”
— Ammon Hennacy

“O ideal da condição de não violência será uma anarquia ordenada. O estado que melhor governa é o que menos governa.”
— Mohandas Karamchand Gandhi, O Baú de Sabedoria de Gandhi (1942)

“Mas eles viveram aquelas vidas extraordinárias que nunca serão vividas de novo. E através de suas vidas, eles me deram uma história que é mais profunda, mais apaixonante, e muito mais útil se comparado a tudo que já li no melhor daqueles malditos livros de história.”
— Utah Phillips, Álbum The Long Memory (1996)

“Trabalhadores do mundo acordem. Quebrem suas correntes, exijam seus direitos. Toda a riqueza que produzem é tomada, por parasitas exploradores. Será que vocês deveriam se ajoelhar em profunda submissão do berço ao cemitério? Será que o peso de suas ambições os limitam a serem bons escravos voluntários?”
— Joe Hill, Música “Workers of the World Awaken”

“O Estado é nocivo e desnecessário! Cabe-nos rejeitar a hierarquia institucionalizada e suas táticas contraditórias! Existe ordem na liberdade! Somos capazes de encontrar nossos próprios caminhos.”
— Nina Delfim

“Não se pode matar a Idéia a tiros de canhão, nem tão pouco acorrentá-la.”
— Louise Michel

“Tentar acabar com a corrupção estatal e manter o estado é o mesmo que tentar retirar a toda água de um rio e ainda assim conservá-lo. A acracia se contrapõe ao estado por entendê-lo desde sua origem e por si só onde quer que ele tenha existido, como uma forma de corrupção institucionalizada e naturalizada.”
— Genoino Pravda, Massacre no campo de Golfe (1997)

“Onde quer que um governo assuma para si a tarefa de nos livrar do incômodo de pensarmos por nós mesmos, as únicas conseqüências resultantes são torpor e imbecilidade.”
— William Godwin, An Enquiry Concerning Political Justice (1793)

“Os cordeiros que vão ao matadouro nada dizem e nada esperam. Mas ao menos eles não votam no açougueiro que os matará, e no burguês que os comerá. Mais besta que as bestas, mais ovino que os ovinos, o eleitor elege seu açougueiro e escolhe seu burguês. Revoluções foram feitas pela conquista desse direito.”
— Octave Mirbeau, Greve de Eleitores (1888)

“Será o Anarquismo possível? O fracasso das tentativas para alcançar a liberdade não significa que a causa está perdida. Os fatos demonstram que a luta pela liberdade é mais forte e evidente do que jamais fora, hoje existem novas e diferentes condições precedentes para que esta meta seja alcançada, o fato de estarmos mais próximos da Anarquia do que esperávamos pode ser provada no desenvolvimento de um desejo de varrer da face da terra tudo que seja autoritário.”
— Johann Most, Anarco-comunismo (1889)

“Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se olhares durante muito tempo para um abismo, o abismo também olha para dentro de você.”
— Friedrich Nietzsche, Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro (1886)

“Necessária é também uma inclinação para enfrentar questões que hoje ninguém se atreve a elucidar; inclinação para o proibido; predestinação para o labirinto”..”
— Friedrich Nietzsche, O Anticristo, Praga contra o Cristianismo (1888)

“Necessária é também uma inclinação para enfrentar questões que hoje ninguém se atreve a elucidar; inclinação para o proibido; predestinação para o labirinto”..”
— Friedrich Nietzsche, O Anticristo, Praga contra o Cristianismo (1888)

“A anarquia é o sistema perfeito, onde se age pelo respeito mútuo e com respeito uns aos outros” ·

“Só haverá Paz quando não mais existir exército”

“Somente quando a última ávore for derrubada, o último peixe morto e o último rio envenenado, que o homem irá perceber que dinheiro nao se come”

“Nem guerra entre povos, nem paz entre classes!”

“Não se pode dizer inferior a algo que nunca foi visto, fazendo isso, você está se rebaixando ao nada”

Uma coisa é ser anarquista no capitalismo, a outra é ser anarquista no anarquismo”

“Todo o homem tem em si um ditador e um anarquista.”
-Paul Valéry

Retirado a pedido dos leitores:“O anarquista maldiz de todos os governos de que não partilha as vantagens.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas em um tempo são os tiranos em outro, se conseguem governar.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas adulam os povos, como os cavaleiros afagam os cavalos para os montarem sem resistência.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas e desordeiros não têm sistema: desordem não pode ser sistematizada.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas se envergonham deste nome, e se apelidam republicanos.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas se esvaecem quando acabam as revoluções, como as lagartas perecem com a mudança das estações.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas são como os jogadores infelizes ou inábeis, que, baralhando muito as cartas, ou mudando de baralhos, esperam melhorar de fortuna e condição.”
-Marquês de Maricá


“Os anarquistas e desordeiros falam aos povos em resistência e liberdade; os monarquistas ordeiros em religião, moral, obediência e lealdade.”

-Marquês de Maricá

“Os anarquistas modernos se servem com vantagem das doutrinas do federalismo para desunir e soberanizar as províncias, desconjuntar os estados e acabar com as monarquias.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas aborrecem a ordem que os castiga e os não emprega.”
-Marquês de Maricá

“É dos anarquistas que se pode dizer com mais propriedade que procuram dividir para reinarem ou governarem.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas se revelam pelos seus discursos, como as cobras cascavéis pelo seu tinido.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas se erigem em intérpretes dos povos, como os falsos sacerdotes se inculcam órgãos da Divindade.”
-Marquês de Maricá


“Nunca esperem os anarquistas chegando ao poder, governar tranqüilamente; os maus exemplos que deram e as más doutrinas que inculcaram reverterão sobre eles e contra eles.”

-Marquês de Maricá

“Os anarquistas mais violentos ou velhacos são nas revoluções os grandes homens dos povos e os seus heróis mais afamados.”
-Marquês de Maricá

“Anarquista e patriota são sinônimos freqüentes vezes.”
-Marquês de Maricá

“Os anarquistas só prosperam onde o espírito público é também sedicioso.”
-Marquês de Maricá

“A audácia dos anarquistas é prodigiosa: ousam muito porque nada aventuram e esperam tudo.”
-Marquês de Maricá

“Liberal e anarquista são sinônimos freqüentes vezes.”
-Marquês de Maricá

Prosumidor – O consumidor da 3a Onda!

por José Diniz

Alvin Toffler, em seu livro A Terceira Onda, criou um termo para designar um novo tipo de personagem na sociedade capitalista.

O prosumidor (do inglês: prosumer), é o consumidor que produz conteúdo para outros consumidores, ou mesmo outros prosumidores.


De acordo com o site http://www.gurusonline.tv/: “Um prosumidor é uma personagem que antecipa tendências e que molda mercados, ou seja, fazez hoje o que a massa de consumidores fará amanhã ou depois. Os prosumidores, são, por isso mesmo, de extrema importância para as marcas.”


O primeiro passo para se tornar um prosumidor é a inclusão digital.

Mas não é a inclusão digital para recebimento de mídia, mas sim para produção de mídia.

As ferramentas na internet estão ai para isso.
De blogs a wikis, todos podemos participar desse novo mundo.

O segundo passo é o pensamento crítico.
Questionar, questionar, questionar.
A chave para o conhecimento é nunca saber o suficiênte para parar de conhecer.

Eu participo desse novo mundo, já não sou só consumidor há algum tempo.

E pretendo com a minha mídia transformar mais pessoas em prosumidores.

O prosumidor assume a capacidade de indicar o que quer e como quer.

=> 12 Tendências do prosumidor:

1. Criam o seu estilo de vida próprio (apanham dicas de várias fontes mas seguem o seu próprio ritmo ignorando as opções das maiorias);

2. Não são hipócritas puritanos (sendo a metrossexualidade uma atitude típica do homem prosumidor);

3. Fazem escolhas inteligentes (baseadas em informação e tendo atenção ao factor preço/qualidade);

4. Abraçam a mudança e a inovação (são os primeiros a aderir às novidades se estas trouxerem valor acrescentado às suas vidas);

5. Vivem «aqui e agora» (como sabem que vão à frente, as pressões e prazeres são geridos com calma);

6. Estão conectados e interagem (não se limitam espacial e temporalmente, gostando de controlar o quando e a quem estão ligados);

7. Valorizam-se a si próprios (sabendo quando parar e “mimar-se”);

8. Escolhem o design (objectos do quotidiano, na alimentação, na roupa que usam; são ponderados);

9. Preocupam-se com a saúde (da sua e dos seus, procurando o máximo de informação através de 2ªs e 3ªs opiniões);

10. Valorizam o que funciona (pensamento estratégico, ou seja, a longo prazo);

11. São o barómetro das marcas (não sendo seus escravos, reconhecem-lhes os seus prós e contras):

12. Querem aprender (tudo o que lhes possa proporcionar a sensação de controle sobre as situações, “information is everything”).

Mas, e você, o que tem feito que também o torna um prosumidor?

O vídeo abaixo, apesar de viajar um pouco, demonstra o que é um prosumidor, como surgiu e o que isso tem haver com o nosso futuro.

Assista-o:

Dicionário da 3ª Onda

Esta postagem com palavras chaves foi desenvolvido para divulgar os termos atualmente utilizados que estão ligados a 3ª Onda.
Meio AmbienteEcologia – Revolução Verde -
Desenvolvimento Sustentável – Energia Limpa – Energia Verde – ReciclagemEnergia SolarEnergia Eólica – MDL – Kyoto – Protocolo de Quioto – 3ª Onda – SustentabilidadeCréditos de Carbono – Econegócio – Biocombustível – Colaboração – Aquecimento GlobalEnergia RenovávelEficiência EnergéticaBiodieselEcoeficienciaEmpresabilidade
Responsabiliade SocialResponsabilidade SócioambientalConsumo Responsável – Produção Responsável (PmaisL) – Ecotecnologia – Eficiência – cont…

A 2ª Onda foi um massacre…

“Eu detesto a maneira como o industrialismo esmagou a Primeira Onda e os povos primitivos. Não posso esquecer a maneira como ele massificou a guerra, inventou Auschwitz e desencadeou o átomo para incinerar Hiroxima. Tenho vergonha de sua arrogância cultural e suas depredações contra o resto do mundo. Estou nauseado pelo desperdício de energia, imaginação e espírito humanos nos nossos guetos e barrios.” – A Terceira Onda, Alvin Toffler

Entrevista à BBC Brasil: Alvin Toffler

Peguei mais uma vez em A Terceira Onda e vim após fazer uma busca na net, e olhem o que achei: Alvin Toffler: ‘3ª onda’ é única opção para o Brasil.

A entrevista é magnífica, e aponta o parâmetros usados pelo futurólogo para determinar os próximos passos de nossa sociedade.

Você está preparado para uma onda de mudanças?
De que onda você é?
1ª, 2ª ou 3ª?

Ah!
Inclusive, encontrei um sebo on-line com o livro baratinho!
http://www.traca.com.br/

Introdução

A Nova Nova Ordem Mundial

O novo modelo

Atualmente, as manchetes de jornais, os links de notícias na internet, as conversas nos lugares comuns da sociedade ativa, estão a volta de um único assunto: A Nova Nova Ordem Mundial. Mas isso infelizmente, sem se darem conta, o que de maneira nenhuma interfere no desenrolar dos fatos.

Bem, vamos aos fatos.

Depois de anos de exploração predatória da natureza e da utilização de fontes de energia não-duráveis, durante o longo período da Segunda Onda, fomos capazes de transformar determinantemente o ambiente onde vivemos. Essas alterações tiveram pontos positivos e negativos.

Muito embora todos tenhamos consciência de que a evolução da sociedade atual trouxe demasiados avanços, não podemos deixar de refletir sobre, as custas de que ocorreram esses avanços.

Mea Culpa

Evidente que houve de fato a exploração predatória da natureza, e é fato que os países que primeiro se industrializaram o fizeram as custas de países pobres de recursos mas ricos de matéria-prima.

Houve a exploração da natureza, porque não tendo conhecimento, o povo pobre de recursos, e ouso dizer que até nem mesmo os países em fase de industrialização, não tinham recursos para saber qual a melhor forma de explorar, a mais barata, e a mais limpa.

E ainda ficou barata as custas dos povos dos países pobres, que foi escravizado ou sofreu graves alterações em suas leis para melhor atender as exigências dos compradores, pelo intermediário do negócio, para baratear a produção, o que veio e muito a calhar para os países em fase de industrialização, que puderam ditar regras que nunca foram responsáveis.

E se de fato podemos afirmar que houve a exploração predatória da natureza, ousemos dizer enfim que o homem foi o causador definitivo do aquecimento global, e da conseqüente exterminação de várias espécies de seres que poderiam, talvez, ter a cura para diversas doenças, ou pelo menos um anestésico.

Apesar do direito de deliberar, os EUA não aderiram ao Protocolo de Quioto posta sua pressão só para os países industrializados, (porque sabem eles a culpa que tem) posto que hoje podemos nos industrializar sem degradar, enquanto eles o fizeram as custas de guerras, genocídios e exploração predatória da natureza.


A cicratiz

De acordo com as últimas informações entregues pelo IPCC – Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática, as previsões para o futuro próximo são de muitas catástrofes climáticas, relacionando essas previsões às catástrofes que tem acontecido nos últimos anos.

Além disso essas previsões tem estudos aprofundadíssimos que afirmam que a mudança climática foi culpa das atividades humanas, e que continuamos mantendo nossas atitudes para contribuir com isso.

O relatório fala em números assustadores de aumento de Gases do Efeito Estufa, e de um aumento ainda maior nos próximos anos que dificultam a diminuição desses gases a níveis razoáveis.

Assim, as instituições que lucram bilhões e bilhões e que não são o governo, um Estado, estão agora, tendo observado essas novas mudanças, (claro!), rediscutindo o papel delas na sociedade.

E visando uma melhora da imagem de cada uma delas perante uma sociedade que está em fase de mudança, já utiliza dos princípios da Nova Nova Ordem Mundial para atingir esses objetivos.

De fato, podemos observar que o aumento de consumo de uma determinada matéria prima, e a diminuição dessa matéria prima, não prejudicam o mercado.

Por exemplo, muito do desmatamento ilegal é feito por existir uma procura muito alta pelo produto dele. E independente de haver possibilidade ou não do fornecimento legal para o consumidor final de tal produto, o mercado da um jeito de adquirir a matéria prima, absorve o produto ilegal porque a demanda existe, e pelo menos mantém o produto no mercado.

1º – Nova Ordem Mundial
2º –
A Nova Nova Ordem Mundial

A ordem: Desenvolvimento Sustentável!

Porque? Aquecimento Global, que já não é mais uma brincadeira, é uma realidade que conhecemos bem as conseqüências, e não podemos mais ficar de papinho…

Conseqüências do Aquecimento Global aqui!


Princípios da Sociedade Industrial

Divisão Produção Consumo

Padronização

Sincronização

Concentração

Especialização

Maximização

Centralização

Exploração da Natureza


Dois caminhos

Caminho 1

Caminho 2 + aqui!

Porque essa correlação? Conheça as seguintes perguntas:

“Deveríamos criar pessoas com estomago de boi que pudessem digerir capim e feno – aliviando assim o problema da comida, modificando-nos geneticamente para nos alimentarmos com a classe mais inferior de comida? Deveríamos alterar biologicamente os trabalhadores para se adaptarem às exigências do trabalho – por exemplo, criar pilotos com tempos de reação mais rápidos ou trabalhadores de linha de montagem neurologicamente projetados para fazerem o trabalho monótono para nós? Deveríamos tentar eliminar pessoas “inferiores” e criar uma ‘super-raça’? Deveríamos criar soldados de clone para se encarregarem das nossas lutas? Deveríamos criar órgãos de reserva para nós mesmos – tendo cada um de nós, por assim dizer, uma ‘caixa econômica’ cheia de rins, fígados ou pulmões sobressalentes?” (pag. 154, A Terceira Onda, Alvin Toffler, Record 1980, RJ)

“As máquinas assumirão o controle? Poderão máquinas inteligentes, especialmente se entrelaçadas em redes de intercomunicação, ultrapassar a nossa habilidade de compreende-las e controlá-las? O Grande Irmão poderá um dia controlar não só os nossos telefones, mas também as nossas torradeiras e aparelhos de televisão, vigiando todos os nossos movimentos e estados de espírito? Até que ponto nos tornaremos dependentes do computador e do cartão? Na medida em que bombardearmos mais e mais inteligência no ambiente material, atrofiar-se-ão as nossas próprias mentes? E que acontecerá se alguém ou alguma coisa puxar a tomada da parede? Ainda teremos as aptidões básicas necessárias para a sobrevivência?” (pag. 177, A Terceira Onda, Alvin Toffler, Record 1980, RJ)

Temos total conhecimento do nosso potencial auto-destrutivo, mas conhecemos também todas as novas possibilidades que nos trouxe a Segunda Onda.

Alguns exemplos:

Potencial Auto-Destrutivo:

Armas Nucleares

Hiroshima

Guerra Biológica

Guerra Química

Armas de Destruição em Massa

V de Vingança

Matrix

Eu Robô – Isaac Asimov

Novas Possibilidades:

Células Tronco

Uso Pacífico da Tecnologia

Inovação Tecnológica

Carro Ecológico


De onde saiu tudo isso

Como havia dito antes, as fontes são evidentes. Os acontecimentos se sucederam conforme as previsões de Alvin Toffler. O estudioso norte-americano demonstrou em seu livro “A Terceira Onda” (“The Third Wave”, Record, 1980, RJ) as interligações das várias atividades humanas que determinaram mudanças a essas próprias atividades, dando surgimento a sociedade atual.

Tais atividades vão desde a família à produção, o que possibilita um melhor entendimento da esfera global a que se destina atingir a visão do autor.

E utilizando das ferramentas que disponibilizou Toffler, é possível enxergar a Terceira Onda com olhos de morcego.

Veja bem, os novos princípios da nova sociedade moderna:


ColaboraçãoCompartilhamento:

Interatividade

Acessibilidade

pt.wikipedia.org/aqui!

www.linux.orgaqui!

http://www.ubuntu-pt.org/Web/aqui!

www.google.comaqui!

www.blogger.comaqui!

www.youtube.comaqui!

Desenvolvimento Sustentável:

Desenvolvimento Sustentávelaqui!

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Protocolo de Quioto

Preservação – Responsabilidade SócioAmbiental:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Agenda-21

www.greenpeace.org

www.wwf.org

http://ec.europa.eu/environment/climat/campaign/index_pt.htm

Reciclagem

Aquecimento Global

Consumo ResponsávelResponsabilidade Social:

www.akatu.org.br

www.ashoka.org.br

http://www.ethos.org.br

http://www.atribunamt.com.br/?p=12561

Produção Limpa:

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Arquitetura Sustentável

Sustentabilidade

ISO 14.000

Energia Limpa:

Energia Renovável

Biodiesel

Álcool

Carro a Ar Comprimido – aqui!, aqui!

Novas Fontes – aqui!, aqui!

Uso Eficiente de Energia


Ferramentas

No início do livro, Toffler faz uma correlação entre dois períodos da história da humanidade. O primeiro foi denominado por ele de A Primeira Onda, fato que surgiu quando houve a fixação do homem no campo através da agricultura, posto que anteriormente a este advento os grupos humanos socialmente organizados eram nômades.

Assim, com o advento da agricultura, a sociedade humana se organizou em famílias grandes e patriarcais, se fixou num ambiente, no entanto apenas subsistindo da agricultura.

Quando esta primeira onda varreu o globo, foi por tempo suficiente para desencadear uma nova onda de mudanças na cultura humana, de modo global.

Esta segunda onda de mudanças nasceu como de uma ínfima explosão de um BigBang nas cabeças das gerações que receberam o mundo após as mudanças da primeira onda. Estas novas cabeças tiveram idéias construtivas e cabia a eles fazer o possível para demonstrar a viabilidade delas.

Com a fixação do homem no campo surgiram homens que estudavam minuciosamente o ambiente, catalogando, dentre outras atividades, agregando valor aquele conhecimento, que de fato poderia ser aplicado, como o foi observando as melhores épocas para plantio, falta d’água, frio, pragas etc.

Então, tendo-se iniciado a Segunda Onda, ocorreram minúsculas mudanças na sociedade humana que determinaram significantemente o motivo de termos chegado onde chegamos, ou o pulo que demos.

Com o surgimento do mercado e da fatídica separação entre o produtor e o consumidor as pessoas deixariam de ser auto-suficientes e passariam a ser totalmente dependentes. Onde antes víamos uma família grande que vivia da agricultura de subsistência, passou a ser visto uma família nuclear, incapaz de manter-se estando fora do novo sistema.

Desta feita, como a agricultura foi um marco que ocasionou a Primeira Onda, na Segunda Onda o marco é a divisão produtor/consumidor, que originou a Revolução Industrial.

O Princípio da Máxima Potencia

Em engenharia ecológia, estudasse um importante princípio de sustentabilidade, qual seja, o de que um sistema só sobrevive por poder extrair para sí o máximo de energia o mais rápido possível, eficientemente. Tal princípio pode ser aplicado a qualquer atividade humana e está ligado intrínsicamente a todo o sistema auto-sustentável.

Num futuro próximo, as construtoras e empreiteiras estarão utilizando comumente esses princípios, com o intuito de se adaptarem a nova ordem mundial, não só elas como todas as demais atividades de produção.

Uma rede de supermercados irá preferir muito mais um fundo de comércio construído utilizando-se desses princípios, porque economizará e consequentemente terá mais lucro, ou poderá aplicar essa economia em atividades sociais.


Fé no negócio

Em todo o curso, conversa, ou marketing do empreendedorismo, ouço dizer que é empreendedor aquele que quando vê uma oportunidade não a deixa escapar. Então, aqui vai uma aulinha – essa não deixei!

E jogando esse jogo digo, 2008 – o ano do planeta, o ano da humanidade! Porque tudo na história tem um marco!

Um 2008 repleto de novos princípios a todos!