Como utilizar as Redes Sociais como Arma de Guerra de Informação segundo as empresas de Fakenews

A notícia foi dada esta semana, é fresquinha: Facebook acaba de banir empresa estabelecida em Israel, dentre outras, que está envolvida com impulsionamento de fake news no Brasil e em outros países, desde 2012. Se ainda não faz sentido para você, continue lendo.

Veja como foi a manchete no jornal G1 em 16/05/2019:

No total foram 256 contas que tinham muitas páginas e eventos movimentando 2,8 milhões de seguidores, removidas da plataforma, de diversas organizações.

A acusação do Facebook, foi de que os usuários daquelas contas tinham uma organização definida de conteúdos e rotinas, o que as difere dos padrões de usuários comuns e que por isso não cumpriam os termos de uso da rede social, motivo do banimento.

Os publicadores de conteúdo nestas contas se apresentavam como ‘locais’ nos países que eles queriam influenciar, e publicavam mentiras que eles alegavam ser vazadas sobre políticos, sendo estes os conteúdos mais comuns.

É possível compreender, até aqui, que o estas empresas agem no Facebook com a finalidade de manipular as pessoas através de fraquezas simples que todos os seres humanos tem e que muitas vezes produzem os resultados esperados.

De acordo com um especialista do Facebook:

Fonte: CNN

Os administradores e donos das contas frequentemente postavam textos sobre notícias políticas, incluindo tópicos como eleições em vários países, visões de candidatos e críticas de oponentes.

Nathaniel Gleicher, chefe de segurança do Facebook, em um documento.

Fake news é uma das principais armas de manipulação de massas utilizadas na internet, mas não nasceu nela e é importante saber disso. Ela funciona tão bem principalmente porque ninguém gosta de sair por ai falando que foi enganado, passado pra trás, vítima.

Confira alguns dos leitores do G1 satisfeitos com mais provas aparecem todos os dias contra os que se organizam para cometer estes atos de guerra de informação e desestabilizar as economias:

Vale destacar, que só de anúncios para impulsionamento de conteúdos, estas empresas investiram aproximadamente US$ 812 mil em vários países – inclusive no Brasil, onde os anúncios foram pagos em reais.

Com certeza eles construíram um resultado financeiro muito promissor. Ainda vamos sofrer por muito tempo o resultado destas ações deliberadas para conquistar riqueza e poder pelo mundo.

Tenha consciência de que cada vez mais outras pessoas se informam para se libertar deste inimigo que tanto nos oprime que é o capital na sua forma mais selvagem. Ele evolui, mas nós também.

Quer ser informado quando publicarmos outros textos em O Libertário?

Assine nosso newsletter para receber gratuitamente notícias como estas no seu email sempre que publicarmos.

Política de Privacidade