EUA infectaram Guatemaltecos com Sífilis e Gonorréia e agora se desculpam pelo crime contra a humanidade

Fonte: Agência AFP (matéria não tem nem mais cache do google 07/01/2019, ver mais no fim).

WASHINGTON — Os Estados Unidos pediram desculpas nesta sexta-feira (15/10/10) por financiar um estudo nos anos 40 envolvendo centenas de guatemaltecos, que foram infectados com sífilis e gonorréia sem seu consentimento.

O estudo, realizado entre 1946 e 1948 na Guatemala, foi “claramente uma falha ética condenável”, afirmou a secretária americana de Estado, Hillary Clinton, ao pedir desculpas a “todos os indivíduos que foram afetados por estas práticas repugnantes”.

O presidente da Guatemala, Alvaro Colom, qualificou as experiências como “um crime contra a humanidade” e não descartou a possibilidade de denunciar o caso.

“É um crime contra a humanidade que ocorreu naquela época e nosso governo se reserva o direito de denunciá-lo”, afirmou o presidente, que foi informado do caso por Hillary Clinton.

Na tarde de hoje, o presidente Barack Obama telefonou a Colom para pedir desculpas e reafirmar o “firme compromisso dos Estados Unidos de assegurar que todos os estudos médicos atuais cumprem com os parâmetros éticos e legais”.

A pesquisa em questão envolveu populações vulneráveis, incluindo doentes mentais, que não foram informados do que iria ocorrer.

Os participantes foram incentivados, inclusive, a contaminar outras pessoas com doenças venéreas, e alguns envolvidos que contraíram sífilis não foram tratados.

Francis Collins, atual diretor do Instituto Nacional de Saúde (NIH, em inglês), organismo americano que promoveu o estudo, qualificou o fato com um “atroz exemplo de um obscuro capítulo da história da medicina”.

O estudo, jamais publicado, foi descoberto quando a professora Susan Reverby, do Wellesley College, tropeçou com documentos que comentavam os testes com guatemaltecos dirigidos pelo sanitarista americano John Cutler.

A experiência foi financiada pelo NIH e pelo Bureau Sanitário Pan-Americano (hoje Organização Pan-Americana da Saúde), com o objetivo de investigar novas formas de prevenir doenças venéreas.

A OPS lamentou hoje as experiências e ofereceu “cooperar plenamente” para investigar o ocorrido.

Cutler e seus colegas pretendiam descobrir se a penicilina, relativamente nova nos anos 40, poderia curar as doenças em questão. Ao menos 1.500 pessoas participaram do estudo.

A primeira fase da experiência consistiu em inocular sífilis ou gonorréia em prostitutas, que foram incentivadas a ter relações sexuais sem proteção com soldados e prisioneiros.

Na segunda fase, “quando alguns destes homens estavam contaminados, o enfoque da investigação mudou e passaram a inocular diretamente em soldados, prisioneiros e pacientes de hospitais psiquiátricos”.

Esta matéria foi retirada originalmente no site da AFP, como informado acima, mas não pode mais ser vista lá.

Indico o blog do Luis Nassif para mais informações.

Relacionados

Nova embaixadora dos EUA no Brasil – Fiquem de olh... O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou Liliana Ayalde, diplomata com uma longa trajetória na agência de cooperação do país, nova embaix...
11 de Setembro de 2011 – 10 anos da mentira ... A mídia global começa novamente a contar a triste novela dos supostos atentados ao World Trade Center. Aos menos desavisados, já foi revelado que t...
Osama Bin Laden nunca foi acusado pelos ataques do... Esta é muito antiga, mas vale ser lembrada no momento em que o Presidente Barack Obama afirma ter executado o n. 1 da "Al Quaeda", Osama Bin Laden. ...
Morte de Osama bin Laden: Mais uma Farsa da Elite ... Retirado do site juizofinal.wordpress.com em 02/05/2011 Somos surpreendidos com mais uma notícia da suposta morte de Osama Bin Laden. Digo suposta ...

Deixe se Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *