Matrix, Marx e a vida de uma bateria – do livro Matrix, Bem-vindo ao Deserto do Real

Publicado por

‘Em Matrix – Bem-vindo ao Deserto do Real’, acadêmicos experientes desvendam a Matrix. Os autores dos textos recorrem a Sócrates, Platão, Aristóteles, São Tomás de Aquino, Descartes, Kant, Nietzsche, Sartre, Sellars, entre outros filósofos para abordar questões como – O que posso saber? O que devo saber? O que é real? O que é a mente? O que é liberdade, e como a obtemos? A Inteligência Artificial é possível? As respostas a essas perguntas levam o leitor a explorar muitos dos principais ramos da filosofia, incluindo metafísica, epistemologia, ética, estética, filosofia da mente, filosofia da religião e filosofia política.

Esta é uma transcrição do capítulo: ‘Matrix, Marx e a vida de uma bateria’

O filme dramatiza a exploração do trabalhador médio americano no final do século XX e começo do XXI, do ponto de vista marxista;

Os trabalhadores americanos vivem sob uma vigilância cada vez maior;

Controle do trabalhador por parte de máquinas;

A Matriz é controle. Um mundo de sonho gerado por computador, construído para nos manter sob controle;

Bateria em ação

De acordo com Marx, os trabalhadores no sistema capitalista não reconhecem a relação entre o seu trtabalho e o capital que produzem, porque se tornaram “alienados” das realidades do trabalho. Desta forma, são explorados porque não conseguem escolher como e onde trabalhar. Devem aceitar os termos de sua contratação, que são ditados pelos detentores do capital;

A força de trabalho de trabalho é um produto primário, nem mais nem menos importante que o açúcar. O primeiro é medido pelo relógio, o segundo pela balança (Marx, em “Salário-trabalho e capital”).

Reflexões dialéticas

No pensamento Marxista,a dialética é uma teoria de evolução ou progresso. Ela se baseia na ideia Hegeliana de que o motor que gera movimento e mudança na história humana é a luta de forças opostas;

Uma pessoa que pensa dialeticamente vê o mundo como um lugar em constante evolução;

“O pensamento dialético está relacionado ao pensamento do mesmo modo que um filme está relacionado a uma fotografia. O filme não invalida a fotografia, mas combina uma série delas de acordo com as leis do movimento”.
(Leon Trotski);

Matrix retrata o estado de espírito de Neo evoluindo dialeticamente;

As pílulas azul e vermelha se encontram nas mãos estendidas de Morpheus. Parecem corresponder às duas lentes nos óculos;

Após Neo escolher a pílula vermelha, seu reflexo começa a mudar. Enquanto ele espera para se despedir de Kansas, o espelho a sua direita reflete um Neo fragmentado. Sua jornada dialética está começando;

No desenrolar do filme, os reflexos de Neo ilustram sua tentativa de conciliar os lados opostos de sua identidade (luta para superar as imagens de sua vida, tanto na Matriz como no “mundo real”);

Fetichismo de Commodities

Cypher: “Eu sei que bife não existe. Eu sei que, quando coloca na boca, a Matriz diz ao meu cérebro que o bife é suculento e delicioso. Depois de nove anos, sabe o que percebi? A ignorância é a felicidade.”;

Na terminologia Marxista, o bife é um produto primário, e a felicidade que Cypher almeja é um “fetichismo de commodities” (sistema);

Para Marx, todo produto primário no mundo (carro, computador, software, etc.) existe porque alguém empregou sua “força de trabalho” pessoal em sua produção. Até o dinheiro que usamos para comprar os produtos prmários, ou commodities, é parte do trabalho de uma pessoa;

O problema é que nós, os trabalhadores do mundo, “veneramos” os commodities que compramos. Em outras palavras, somos frequentemente cegos quanto ao seguinte fato: os commodities que compramos são produzidos por pessoas como nós;

Segundo Marx, os trabalhadores são incapazes de se unir porque sua experiência golbal partilhada, como classe, é disfarçada pelos gostos doces, sons e visões dos produtos primários;

Despertar do quê?

Max Horkheimer e Theodor Adorno argumentam que a mídia de massa, que inclui rádio, televisão e cinema, contribui para um novo nível de fetichismo de commodities nas sociedades capitalistas; De acordo com Marx, os capitalistas obtêm lucro, ou valor excedente, pagando aos trabalhadores menos do que eles merecem;

Conclusão

Matrix é um filme inesquecível, mas não convence os espectadores a “despertar” e lutar contra os poderes exploradores que fazem da maioria de nós baterias (ou pilhas) no mundo real; Em outras palavras, a humanidade trabalha, e as pessoas recebem exatamente aquilo que merecem; Não convence, talvez, porque não nos mostra o que a raça humana está perdendo enquanto fica ligada na Matriz;

Retirado da apresentação em https://prezi.com/srgzyyix8yrg/matrix-bem-vindo-ao-deserto-real/


Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e nem sempre representam a opinião de O Libertário e seus autores. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *